segunda-feira, 16 de abril de 2012

Tempestade


Quando as árvores chacoalham furiosas
E as folhas se soltam dos galhos,
É a tempestade que braveja
Contundente a seu regalo.

O vento revolto
Leva tudo o que ve.
Arrasta plantas e casas...
Não tem piedade e afronta.

Furioso o vento abala as ondas.
Transforma a calma do mar em fúria.
Carrega o que ve pela frente
Sob ele tudo murmura.

A tempestade e os ventos,
São fortes como montanhas
Aparecem assim do nada
Rasgando as entranhas...

Nenhum comentário:

Postar um comentário